Correio Central
Voltar Notícia publicada em 14/01/2020

Suspeito de abusar da provável filha deu celular e bicicleta pra menina e a seduziu, diz mãe

A Polícia de Ouro Preto do Oeste investiga o caso que é sigiloso por envolver vítima menor de idade.

A Polícia Civil de Ouro Preto do Oeste (RO) apura uma denúncia de estupro de vulnerável que é um dos casos mais absurdos já registrados na Comarca.

Um homem é acusado de ter seduzido uma adolescente de 13 anos, mesmo após tomar conhecimento que a menina pode ser sua filha biológica, o relacionamento sexual entre ele e a vítima teria iniciado pouco antes do Natal.

Em primeiro momento, ele teria ofendido a mãe da menor. No entanto, ao invés de se aproximar da menor com o intuito de descobrir se havia a possibilidade de ele ser o pai, o suspeito teria dado um celular e uma bicicleta de presente para a adolescente, a seduzido e praticado relações sexuais com a vítima.

A reportagem do Correio Central conseguiu localizar a mãe da menor e através de vários contatos com a mesma, conseguiu revelações de uma história abominável.

Ela está se sentindo culpada por ter, após 14 anos, procurado o homem com quem teve um relacionamento e ao invés de conseguir o processo de exame de paternidade, viu sua filha ser seduzida e abusada sexualmente.

As informações publicadas pela reportagem do site Correio Central não envolvem delegados ou policiais civis, o canal de informações são coletados com a parte da vítima e outras fontes.

O suspeito prestou depoimento na semana passada acompanhado de seu advogado, porém o conteúdo é sigiloso e a editoria do site não divulga o desenrolar dos fatos, nem a versão das partes envolvidas, por se tratar de um caso envolvendo um crime de estupro de vulnerável.

O que pode ser publicado é que a menor admitiu tudo que a mãe denunciou à polícia, e os exames e mensagens de celular que a mãe dela descobriu no Natal poderão comprovar as declarações da vítima.

 A nova lei de Abuso de Autoridade já está valendo em Ouro Preto do Oeste. A Polícia Civil demonstra preocupação com possíveis punições a policiais que fornecer informações para a imprensa, inclusive um Comunicado Interno foi publicado na UNISP alertando os plantonistas sobre as novas regras.

A Lei de Abuso de Autoridade cerceia policiais civis e PMs de fornecer informações, e as notícias que de fato são de interesse público não fornecidas a imprensa deixarão de ser publicadas.

Enquanto isso, a mãe da menor vítima do abuso sexual vive, além de amargurada e com sentimento de culpa, com medo de possíveis retaliações e ameaça por ter tido coragem de denunciar a covardia que foi praticada contra sua filha.

A reportagem não vai publicar detalhes revelados pela mãe em respeito ao trabalho da polícia, mas acompanha de perto o desfecho dessa denúncia que corre em segredo de Justiça.

No Brasil, a Lei de abuso de autoridade parece que veio para dar proteção e o sigilo aos nomes de quem comete atos delituosos.   

 

Proibida a publicação deste conteúdo sem a prévia autorização por se tratar de um caso de segredo de Justiça. A editoria não se responsabiliza por publicações tiradas desta plataforma que é bloqueada. 

 

 

Fonte: www.correiocentral.com.br