Correio Central
Voltar Notícia publicada em 18/04/2019

Em OPO, juiz barra saída de presos na Páscoa por falta de tornozeleiras, em torno de 30 foram beneficiados

O juiz só autorizou ficar na rua presos que já estão dormindo em casa e usando tornozeleira eletrônica.

O juiz que responde pela 1ª Vara Criminal da Comarca de Ouro Preto do Oeste proibiu a saída de 19 presos, 17 homens e duas mulheres, que ganharam o direito de passar a Páscoa em casa e retornar na segunda-feira, e também restringiu a saída para outros apenados que estavam contando com o benefício.  

A reportagem apurou que o juiz autorizou somente a saída de aproximadamente 30 apenados que já estão trabalhando nas ruas e dormindo em casa devido a super lotação da unidade prisional de Ouro Preto do Oeste.

A Casa de Detenção tem capacidade para 120 vagas, e a lotação está chegando a 280 detentos fora os que já estão liberados nas ruas com tornozeleiras eletrônica. No presidio de Ouro Preto há presos dormindo com as pernas no banheiro.  

O juiz Glauco Antônio Alves, que responde temporariamente pela 1ª Vara Criminal da Comarca de Ouro Preto do Oeste, em substituição ao juiz Rogério Montai de Lima, suspendeu a autorização de saída temporária neste final de semana da Páscoa de 17 homens e duas mulheres que cumprem pena por crimes diversos, e iriam gozar do benefício pela primeira vez.  

A decisão do Magistrado foi publicada após ele tomar conhecimento que a Casa de Detenção não dispõe de tornozeleiras eletrônicas para realizar o monitoramento de fiscalização e delimitação da área ade circulação dos apenados, enquanto eles estiverem gozando da saída temporária.   

 Na terça-feira (16), a direção da Casa de Detenção enviou uma lista com a relação dos apenados de bom comportamento carcerário que estão solicitando a primeira saída temporária, como aqueles que tiveram progressão de regime ou iniciaram o cumprimento de pena no semiaberto.

O Ministério Público se manifestou favorável e foi emitida uma relação com nome de presos que poderão sair. No entanto, na terça-feira o juiz Glauco Antonio Alves, que substitui Rogério Montai de Lima na 1ª Vara Criminal, voltou atrás ao tomar conhecimento que a Casa de Detenção não dispõe de tornozeleiras eletrônicas para realizar o monitoramento dos apenados enquanto eles estiverem gozando da saída temporária.   

 

 

Fonte: www.correiocentral.com.br