Correio Central
Voltar Notícia publicada em 02/01/2020

Morre aos 51 anos o popular Padre da Emater de Ji-Paraná, corpo chega a RO na sexta

“Ele morreu do jeito que gostava de viver: fazendo churrasco e dançando Vanerão”, disse um amigo de trabalho.

A instituição Emater Rondônia, e todos os seus funcionários, iniciaram o ano de 2020 com um luto profundo com a morte súbita de Cláudio Luiz Martelli, aos 51 anos de idade, vítima de um infarto fulminante na cidade de Coronel Freitas, em Santa Catarina, onde ele com a esposa e filha passava as festas de fim de ano com a família.

Padre estava fazendo churrasco, dançando e se divertindo, quando sofreu o infarto e seu coração parou de funcionar. O corpo de Cláudio Luiz Martelli saiu de Chapecó às 9 horas desta quinta-feira e a previsão de chegada ao aeroporto internacional de Porto Velho Governador Jorge Teixeira é para as 23 horas.

O velório ocorrerá na madrugada de sexta-feira em Ji-Paraná, na comunidade católica Nossa Senhora Mãe dos Migrantes, que fica próxima ao Colégio Lauro Benno, no Km 05, Bairro Santiago.

A esposa e uma das filhas de Cláudio Martelli partiram de volta em outro avião, e chegam esta quinta-feira em Ji-Paraná no voo previsto para aterrissar as 13h45 no Aeroporto José Coleto.

O nome Cláudio Luiz não é conhecido pelos agricultores rondonienses, mas o “Padre da Emater”, como ele era carinhosamente chamado, por sua dedicação à Igreja Católica, sem dúvidas deixa uma lacuna que vai demorar a ser preenchida.

Padre era uma pessoa que se cuidava muito, pois era diabético. Ele havia acabado de chegar dos Estados Unidos onde tirou férias, depois foi para Santa Catarina passar o fim de ano com a família e distribuir alegria, como sempre fazia e veio a fatalidade. “Ele morreu do jeito que gostava de viver: fazendo churrasco e dançando Vanerão”, disse um amigo de trabalho.

“Foram dias intensos, de alegria e emoção! Ele retornou onde nasceu, encontrou os amigos, familiares! Brincou, gritou, dançou, jogou baralho” FEZ O QUE QUIS! MAIS Deus o tirou de mim, o levou pra longe, bem longe, onde meus olhos não alcançam! Eu te amei desde que nasci, e te amarei por toda minha vida”, escreveu a filha Líbera Fraga Martelli na página do pai falecido.    

Padre era uma figura tão emblemática e importante tal qual é a entidade à qual ele trabalhou com muita dedicação durante 32 anos de sua vida. Ele ingressou na Emater dia 14 de dezembro de 1987.   

Ele era um homem respeitoso e muito carismático. Fosse no seu ambiente de trabalho, ou em qualquer outra atividade profissional. A estudante de agronomia Marcela Lima escreveu na página dele: “Foi uma honra ter sido “a sua estagiária”, nunca vou esquecer o senhor, nem seus conselhos, “Não seja mais uma agrônoma Marcela, seja a MELHOR, você vai longe”.  

A editoria do site Correio Central que sempre acompanhou o profissionalismo de Cláudio Luiz Martelli, e o admirava como todos que tiveram oportunidade de conhecê-lo, solidariza-se com os familiares nesse momento de profunda dor, e também com a família emateriana que perde um profissional de referência que deixou seu legado na instituição.  

Fonte: www.correiocentral.com.br