Correio Central
Voltar Notícia publicada em 22/01/2018

Vítima da bandidagem em Ouro Preto do Oeste, dona de salão se aprisiona em seu próprio comércio


Após ser assaltada duas vezes por marginais armados, a proprietária de um salão de beleza em Ouro Preto do Oeste, localizado na Rua dos Seringueiros próximo a avenida Duque de Caxias, decidiu construir uma grade ao redor da porta principal do seu estabelecimento, e precisa abrir três cadeados que a protegem seu ponto de novos roubos, para a entrada de clientes. 

 

Jarlete Condack Lopes gastou mais de R$ 2 mil para gradear a entrada de seu estabelecimento, ainda sim trabalha com medo e traumatizada, e não sai sozinha para ir embora, pois um dos ladrões que a assaltou passa sempre em frente o salão olhando para ela. “Se não vier algum de meus filhos pra cá de noite pra me tirar eu não saio daqui. Eu saí agora porque ainda não anoiteceu de vez e uma cliente me esperou”,

 

O último assalto ao salão ocorreu em dezembro passado. Dois ladrões ocupando uma motoneta Honda Biz, de cor escura, chegaram ao estabelecimento, renderam a dona do salão e uma cliente, e exigiram dela dinheiro, bolsa e celulares. A proprietária entregou R$ 300, bolsa e o celular, e a cliente foi esperta e escondeu sua bolsa embaixo da capa de corte de cabelo, se safando do assalto.

 

O primeiro assalto que Jarlete sofreu foi em janeiro de 2017, quando dois ladrões chegaram numa motocicleta, um deles entrou armado e covardemente, mediante forte ameaça rendeu a cabeleireira.  “Eu estava pra fechar a porta ele entrou e jogou as mãos me empurrando e falou: quietinha, não olha pra mim senão eu estouro seus miolos. Ele levou 700 reais, pra mim que faço unha e cobro meio barato é muito dinheiro. Eu chorei muito”, lembra-se.

 

A cabeleireira disse que teme ser assaltada a qualquer momento, já que um grupo de jovens, incluindo um dos que a roubaram uma vez, passa em frente o salão conversando e falam alto sobre a instalação da grade de propósito, para que ela escute. “Eles estão zombando de mim”, lamentou.

 

Um dos indivíduos chegou a ser preso na ocasião do primeiro roubo, no entanto três dias depois ele já estava nas ruas.

CABELEIREIRA TRABALHA COM MEDO E TEME QUE OS BANDIDOS VOLTEM A ROUBÁ-LA

 

 

Fonte: www.correiocentral.com.br - fotos Edmilson Rodrigues