Correio Central
Voltar Notícia publicada em 03/07/2018

Polícia Ambiental apreende 2 caminhões e 2 tratores na Reserva do Assentamento Margarida Alves

Veículos e condutores foram levados a Delegacia Civil de Mirante da Serra e autuados por Crime Ambiental

A Polícia Ambiental de Ji-Paraná apreendeu 2 caminhões carregados de toras, 1 trator e 1 trator com pá-carregadeira na área do Assentamento Margarida Alves no município de Nova União, localizado na área da zona agrícola da comunidade Nova Esperança, e deteve os dois motoristas e o presidente de uma Cooperativa por crimes ambientais.

A operação de apreensão dos veículos e da madeira ocorreu no dia 28 de junho, na última quinta-feira, numa gleba do Km 28 da RO 470 (Linha 81), e foi coordenada pelo Tenente Adlon com duas equipes da Polícia Ambiental com apoio de policiais militares do grupamento da PM de Nova União e da Seção de Inteligência (P-2) da 3ª Companhia de Policiamento Ostensivo de Ouro Preto do Oeste.

Os 2 caminhões Mercedes Bens carregados de toras foram levados para a Delegacia de Mirante da Serra juntamente com três motoristas. Pessoas localizadas em uma imensa área de desmatamento dentro da reserva afirmaram que estavam praticando derrubada com objetivo de grilagem de áreas.   

Os tratores não puderam ser transportados, mas foram lacrados e deixados numa área do assentamento. O responsável pela Cooperativa e os demais homens que trabalhavam na extração em área de reserva foram notificados e autuados por crimes ambientais.

Os policiais solicitaram dos motoristas dos caminhões o Documento de Origem Florestal (DOF), foi apresentado um requerimento feito junto a Secretaria de Estado de Desenvolvimento Ambiental (SEDAM), e um despacho onde o órgão apresenta um Parecer que “não autoriza ou permite de forma alguma a comercialização, transporte de madeira e nenhum tipo de resíduo florestal”.

Os condutores dos caminhões e do trator afirmaram que foram contratados para retirar a madeira de dentro da reserva por João Sequeira de Souza, presidente da Cooperativa Mista de Extrativismo, Agricultura, Ecologismo e Prestação de Serviços (COOMEAFES), que reside no Assentamento.

O presidente da COOMEAFES compareceu na Delegacia de Mirante da Serra no momento da entrega dos veículos e afirmou que de fato havia contratado os caminhoneiros para transporte da madeira para a Gleba 01 do Assentamento Margarida Alves.

Ele disse que não tem conhecimento de grilagem de terras e afirmou ao comandante da operação que autorizou o serviço mediante a orientação de um engenheiro florestal, e forneceu o nome do profissional.

Todos os envolvidos foram autuados por crimes ambientais que constam nos artigos 40 e 50-A da Lei nº 9.605, de 12 de fevereiro de 1998.  Fotos: PM/RO

 

 

Fonte: www.correiocentral.com.br