Correio Central
Voltar Notícia publicada em 13/11/2017

Ouro Preto: Juan Alex Testoni Júnior é preso com 79 pedras de diamante e pela Lei Maria da Penha; ENTENDA

Testoni Junior fez dois pedidos: para não ser fotografado e que não queria visitas de parentes seus na Casa de Detenção

Uma operação de busca e apreensão por Violência Doméstica realizada no final da manhã desta segunda-feira pela Polícia Civil em Ouro Preto do Oeste, na residência de Juan Alex Testoni Júnior, 33 anos, na rua Raimundo Teixeira, Jardim Bandeirantes, resultou na apreensão de 79 pedras de diamantes e o assunto passou a envolver quatro delegados e também a Secretaria de Estado do Desenvolvimento Ambiental (Sedam).

Júnior Testoni acabou preso por dois mandados de prisão em flagrante: um expedido pela Polícia Civil pelo crime da Lei Maria da Penha, e outro pela Polícia Federal, inicialmente pelo crime de extração ilegal de diamantes. Ele foi ouvido durante toda a tarde, e por volta de 18H35 recolhido à Casa de Detenção da cidade.

O delegado da Polícia Federal Peterson Manys, em conversa com a reportagem do Correio Central, afirmou apenas que Júnior Testoni foi ouvido, manteve-se calado, e que ele ficou preso na Casa de Detenção de Ouro Preto do Oeste por que a primeira decretação de prisão em flagrante do acusado foi pelo crime de Violência Doméstica.

O delegado da PF disse que o acusado vai responder pelo crime de extração de diamantes que configura Crime Contra a Ordem Econômica, como define o artigo 1º da Lei 8.176, de 8 de fevereiro de 1991. A pena máxima é a detenção de 1 a 5 anos.

Assim que foi localizado e conduzido à DP, Júnior Testoni foi ouvido pelo delegado Niki Alves Locatelli, mas em razão da apreensão dos diamantes foram acionados à cidade os delegados Julio Cesar Souza Ferreira e Roberto dos Santos da Silva, que são titulares em Ouro Preto do Oeste e em Mirante da Serra, mas há quase dois meses compõem uma Força Tarefa da Sedam/RO que combate em Rondônia crimes ambientais, e investigam explorações e comercialização ilegais no estado, incluindo a de pedras preciosas.

O delegado Roberto dos Santos declarou que a prisão ocorrida hoje em Ouro Preto do Oeste se tornou uma ação conjunta envolvendo a Polícia Civil, Polícia Federal, Ministério Público e a Secretaria de Estado de Desenvolvimento Ambiental. “Nosso trabalho hoje com a Sedam é esse e nós chegamos aqui para esse trabalho, no sentido de dar apoio a essa questão da suposta extração ilegal de pedras preciosas”, definiu o delegado.   

Na hora da prisão, Júnior Testoni fez duas exigências: que ele não fosse fotografado ou filmado, e que não queria receber na Casa de Detenção a visita de nenhum parente seu de primeiro grau.   

DEFESA

O acusado Junior Testoni após tomar conhecimento da denúncia de sua mulher por Violência Doméstica se apresentou na Delegacia Civil acompanhado de dois advogados, no depoimento sobre o litígio com sua companheira se defendeu, porém na hora de ser inquirido sobre a origem das pedras preciosas permaneceu em silêncio.

Os advogados de Junior Testoni apostam tudo nas duas audiências de custódia, às quais o réu preso tem direito no prazo de 24 horas, tanto no Fórum da Comarca de Ouro Preto para se defender da acusação de Violência Doméstica como em Ji-Paraná, perante um juiz federal, na defesa pelo flagrante do crime contra a ordem econômica e extração ilegal de pedras preciosas.

Na audiência do primeiro flagrante, em Ouro Preto, os advogados esperam convencer o juiz a arbitrar uma fiança e conseguir a soltura do acusado, e na segunda audiência em Ji-Paraná acreditam que podem conseguir derrubar a prisão, com base no fato de que as pedras apreendidas ainda não foram periciadas e que o réu preso tem residência fixa e solto não vai prejudicar o andamento do processo.

Imagem divulgada no site da SEDAM/RO, com reportagem sobre a prisão de Juan Alex Testoni Junior

ACUSADO EXIGIU QUE NÃO FOSSE FOTOGRAFADO - ARQUIVO DE FAMÍLIA

 

   

  

 

Fonte: www.correiocentral.com.br