Correio Central
Voltar Notícia publicada em 04/04/2018

Assassinado ouro-pretense que liderava invasão da Fazenda Trianon na linha 203; vítima foi tocaiada numa ponte

Edemar, o Galego, levou um tiro quando atravessava uma ponte da fazenda e caiu morto, os colegas fugiram para a mata.

Registrado mais um homicídio no interior da Fazenda Triângulo (Trianon) na altura da Linha 203, na região do Distrito de Rondominas, limite de Ouro Preto do Oeste.

A vítima é Edemar Rodrigues da Silva, mais conhecido por “Galego”, ele era tido como um dos líderes da invasão que hoje tem em torno de 400 pessoas com lotes demarcados em acampamentos entre as linhas 202, 203, 204 e 205.

Edemar Galego foi executado no final da tarde de ontem com um tiro disparado de dentro da mata, por volta de 18h30, quando atravessava uma ponte antes de chegar ao acampamento.

A vítima e outros ocupantes da fazenda transitavam de caminhão por dentro da propriedade com destino ao acampamento Nova Esperança. Ao chegar na ponte o caminhão parou, e todos desceram para fazer a travessia a pé, e Edimar ficou por último.

Segundo testemunhas, quando Galego atravessava a ponte foi ouvido um estampido de arma de fogo, ele deu um grito e caiu ao solo. Os demais sem terra correram para a mata temendo que também seriam alvejados. Algum tempo depois, os homens que correram para o mato voltaram, e constataram que Edimar estava morto.  

A vítima, que também era conhecido por "Lalaco" e estava acompanhado  de um adolescente que seria sobrinho de sua esposa. Edimar Rodrigues trabalhou em um supermercado loalizado na avenida Duque de Caxias em Ouro Preto do Oeste, local onde hoje sua esposa trabalha.

O corpo ainda está no mesmo lugar, policiais militares do subgrupamento de Rondominas preservam o local, aguardando a chegada da Perícia Técnico-Científica da Polícia Civil.

3º HOMICÍDIO NA TRIANON

A Fazenda Triângulo pertence a Indústria Trianon, de Ji-Paraná. Galego é o segundo líder assassinado dentro da fazenda. A Justiça já concedeu a reintegração de posse, mas os invasores voltaram e tentam obter a posse definitiva da área.  

Este é o segundo homicídio registrado na área este ano de 2018. Em fevereiro, Joscione Nunes das Neves, que tinha 32 anos, e morava em Vale do Paraíso, foi morto na fundiária da fazenda por um colega de derrubada dentro da mata.

Em junho do ano passado, no travessão da Linha 204, Valdenir Juventino Izidoro, conhecido por “Lobo”, que tinha 50 anos e liderava o grupo de sem terras em invasões de terra nas imediações, foi morto com um tiro pelas costas.

JOSCIONE FOIMORTO EM FEVEREIRO DESTE ANO EM UMA DERRUBADA

EM 2016 A PM FEZ A RETIRADA NO ACAMPAMENTOMONTE CRISTO

Foto desocupação: CPT

 

Fonte: www.correiocentral.com.br