Correio Central
Voltar Notícia publicada em 13/04/2016

Suspeito de praticar sexo anal em menina de 10 anos é preso em Ouro Preto

O acusado teria abusado da menina, e ainda praticado sexo anal duas vezes. O suspeito de pedofilia só foi desmascarado porque a criança resolveu contar para uma coleguinha o que ele fez com ela.

Foi recolhido na manhã desta quarta-feira à Casa de Detenção de Ouro Preto do Oeste Gideon Gonçalves Coelho, 32 anos, sob a acusação de ter praticado pedofilia, e abusado sexualmente de uma menina de 10 anos de idade, filha apenas de sua mulher, de 31 anos, com quem ele tem dois filhos: um garoto de 6 anos e um bebê com dez meses de vida.


 O atentado violento ao pudor teria ocorrido pela primeira vez no dia 6 de abril do ano passado, mas só agora a criança resolveu contar para uma adolescente o que aconteceu em razão das ameaças que sofreu do acusado na época. Durante duas semanas seguidas, Gideon abusou o quanto pôde e em duas ocasiões praticou sexo anal forçado com a menina.


Segundo relatos da menina, registrados no cartório da Delegacia Civil de Ouro Preto, o acusado retirou toda a roupa dela, passou a mão no seu órgão genital, acariciou as suas partes íntimas, fez sexo oral nela e, ao final, praticou sexo anal. Os abusos ocorreram nos dois finais de semana em que a menina que mora com a avó em Ji-Paraná veio passar uns dias na casa da mãe em Ouro Preto, quando ela estava grávida do segundo filho com Gideon.


Com base nos depoimentos da menor e da mãe, o delegado Roberto dos Santos da Silva representou contra o acusado e pediu a prisão temporária dele sendo prontamente atendido pelo Juizado da Vara de Execuções Penais de Ouro Preto do Oeste. Gideon se apresentou hoje com uma advogada, e o delegado Roberto dos Santos deu voz de prisão a ele. 

A família da menina só descobriu o abuso sexual porque ela revelou seu sofrimento em Ji-Paraná para uma amiginha de 11 anos que contou o que ouviu para a mãe, tendo a história chegada ao conhecimento do pai biológico da criança. Ao saber dos fatos, a mãe da vítima não pensou duas vezes e denunciou o marido há duas semanas, mas ele fugiu para Acrelândia – AC. A avó da menina disse que na época do ocorrido levou a menina ao hospital porque ela reclamava de dores e de coceiras, mas não desconfiou que ela tinha sido abusada de maneira tão sórdida.


A mãe da menina ainda não sabia do ocorrido no dia 2 de abril quando viajou de Ji-Paraná para Ouro Preto do Oeste na companhia de Gideon e os dois filhos do casal dentro do carro. Segundo ela, no caminho Gideon teria ziguezagueado na estrada e insinuava a todo o tempo que ia jogar o carro na frente de carretas que desviavam perigosamente na pista.


Ao chegar a Ouro Preto, o acusado confessou para a mulher o que tinha feito, e ela então seguiu para Ji-Paraná, ouviu da sua mãe que realmente sua filha tinha contado e revelado detalhes dos estupros sofridos no ano passado. Abismada com o que ouviu, a mãe da menina foi à Delegacia Civil de Ji-Paraná, e denunciou o marido. “Ele veio confessar pra mim o que fez com minha filha quando chegamos a Ouro Preto, e disse que o que minha filha tinha dito era verdade”.

 

A mãe da menor relatou que na relação de 8 anos de convivência Gideon teve dois filhos, um de 6 anos e uma filha com 10 meses. A menina que ele teria estuprado é filha apenas da mãe, fruto de outro relacionamento. A mãe da menina disse ao RONDONIAGORA que seu marido se aproveitou para abusar da menina quando ela estava grávida de oito meses, no momento que ela dormia e torce para que ele apodreça na cadeia.  “A marca que ele deixou na minha filha foi da pior forma possível, e ela vai carregar isso por toda a vida”, lamentou.  

 

Autor: Edmilson Rodrigues