Correio Central
Voltar Notícia publicada em 28/07/2020

POLÍCIA CIVIL ALERTA PARA O ALTO NÚMERO DE CASOS DE ESTUPRO NA REGIÃO DE OURO PRETO DO OESTE

A covardia aumentou com a pandemia do coronavírus, pedófilos e estupradores estão agindo em meio a famílias.

A Delegacia de Polícia Civil de Ouro Preto do Oeste/RO faz uma alerta a população em geral e, principalmente aos pais de crianças e adolescente, sobre o número alarmante de crimes sexuais registrados neste ano de 2020.

De janeiro a junho deste ano, foram registrados mais de 20 casos de estupros, sendo que deste total, 16 envolveram crianças e adolescentes menores de 14 anos, considerados como vulneráveis pela legislação.

Fato que chama a atenção é que na maioria dos casos o infrator é um parente ou alguém próximo à família, o que dificulta a vigilância dos pais e responsáveis na proteção do grupo vulnerável.

O delegado Niki Alves Locatelli afirma que somente uma forte fiscalização dos pais é capaz de prevenir a ocorrência deste bárbaro crime, “não somente em relação as vítimas do sexo feminino, como também crianças e adolescentes do sexo masculino”. E continua: “É importante frisar que, na maioria dos casos, a vítima se sente culpada e não procura ajuda, cabendo aos pais averiguar eventual mudança de comportamento da criança e, com sabedoria, tentar extrair algo da vítima ou solicitar ajuda profissional para evitar o que chamamos de revitimização”.

Em Ouro Preto do Oeste, a Polícia Civil trabalha de forma integrada com o Conselho Tutelar e demais órgãos da prefeitura como a SEMAS, CREAS, CRAS e CAPS, formando uma “rede de proteção”, amparando tanto a vítima como sua família.

A Polícia Civil ressalta que as denúncias podem ser realizadas através do telefone 197 ou do Disk 100, de forma anônima, resguardado o mais absoluto sigilo.

NOTA DA REDAÇÃO SOBRE ÁUDIOS DO EDITOR EDMILSON RODRIGUES PROSPECTADOS NAS REDES SOCIAIS

Frankis Bruno afirmou que nada impede ele de ser candidato a prefeito ou a vereador, a reportagem está sendo finalizada

Esta reportagem publicada pelo site Correio Central serve de “para-raios” para defender o editorial deste informativo eletrônico, cujo editor vem sendo desmentido em áudios tipo “não tem vinte casos (de abuso sexual), não passa de dez...Eu conversei com o “R......” do Conselho Tutelar e (sic).

O que está sendo divulgado é o que foi registrado na polícia, a projeção nesse caso é que o número de crianças e adolescentes em Ouro Preto do Oeste – cuja Casa de Detenção já chegou abrigar mais de um terço dos apenados em uma ala apenas para pedófilos e abusadores sexuais habituais, está acima da curva.  

O editor deste site recebeu a visita de três conselheiros tutelares na segunda-feira cobrando explicação sobre os áudios dirigidos ao ex-funcionário do Detran/RO Frankis Bruno (Frankis Bruno #Me representa) - que atuou por quase 5 anos em uma vaga reservada a portadores de necessidades especiais - que pela primeira vez, o responsável pelo editorial deste site expos um momento pessoal em um grupo denominado “O Informante” (onde há jornalistas, radialistas, empresários, pastores etc) com vários áudios dirigidos a Frankis Bruno #Me representa, grupo este criado pelo único administrador radialista Jerrimar que trabalha na Super 104,9 FM, emissora comunitária administrada por uma associação da Igreja evangélica Assembleia de Deus.

Nos áudios os quais motivaram a vinda à moradia do editor do site Correio Central de três conselheiros tutelares, sob a alegação de que a “notificação” era com intuito de cobrar explicações sobre os áudios, por questões de “protocolo” não tinha sentido, pois a editoria do Correio Central não tem que esclarecer fatos de testemunhas que têm coragem de denunciar ao site e não a polícia e ao referido “colegiado”, como disse um membro em um áudio a um grupo de WhatasApp.

O editor deste informativo eletrônico não deu detalhes aos conselheiros em razão de a editoria ter informações além do que o delegado Niki Locatelli revelou na reportagem ACIMA. São denúncias que triplicam esses índices da Polícia Civil e foge aos olhos da autoridade dos conselheiros tutelares, considerando crianças, adolescentes, jovens e mulheres vulneráveis em poder de homens que se apossam da vida delas mediante graves ameaças.

Mulher adulta que sofre abuso e tem emprego e profissão estável sofre mais pois vira refém do agressor, e até é obrigada a garantir a manutenção e caprichos financeiros dele. Nesse tempo de pandemia esses tipos de abuso estão se multiplicando. 

A psicologia é pontual: criança não mente quando é estuprada, ela se cala ou, as vezes, é desacredita de quem mais confia. A editoria do site Correio Central mantém constantes contatos e diálogos com o psicólogo, psiquiatra e profissionais do Centro de Atenção Psicossocial (CAPS) de Ouro Preto DO Oeste, que tem uma “carteira de clientes” do SUS que já ultrapassou a cifra de 4.000 cidadãos. “Edmilson, o número de mulheres em idade produtiva que não apagam o trauma do estupro ou do abuso na infância ou do marido é gritante, algo precisa ser feito. As mulheres não se recuperam do trauma”, disse um dos profissionais da área de psicologia do CAPS, que a reportagem protege o nome por questões éticas.  

Eles (os conselheiros) cobravam esclarecimentos sobre os casos de abusos de crianças e adolescentes com a pandemia do coronavírus que foram divulgados nos áudios em questão, mas nesse interim a CORREGEDORIA DA POLÍCIA CIVIL DE RONDÔNIA já havia recebido os referidos áudios, o que instigou a investigações a serem feitas pela Polícia Civil na região de Ouro Preto do Oeste.

A publicação tomou conhecimento que, a Corregedoria da PC recomendou independente de quem seja o indivíduo apontado por crime de abuso sexual contra crianças, adolescentes ou mulheres que ele seja investigado e, caso comprovados os fatos, que a Polícia Civil Judiciária de Rondônia faça valer a lei e a justiça.

Crime de estupro de vulnerável e de incapaz prescreve com 20 anos, pedófilos oportunistas usam como artificio a “união marital” para não ser enquadrado na Lei, depois descartam (se separam) da vítima.

Quando o risco de cadeia se aproxima – igual ao último pedófilo revelado neste site preso na cidade e solto por “se lambuzar de cocô dele mesmo e ter sido considerado em estado de insanidade” – os aproveitadores de garotas em formação do conhecimento da vida se transformam. Se chorarem, as lágrimas são por perderem a liberdade de praticar o ato insano e porque vão pra cadeia.

Autor: Edmilson Rodrigues

Fonte: www.correiocentral.com.br