Correio Central
Voltar Notícia publicada em 18/11/2020

OPERAÇÃO DRONE: POLÍCIA CIVIL DEFLAGRA OPERAÇÃO EM JI-PARANÁ CONTRA ORGANIZAÇÃO CRIMINOSA E CUMPRE ORDENS DE PRISÃO, BUSCA E SEQUESTRO DE VALORES.

Mulheres de presos e membros de uma facção são alvo da operação em Ji-Paraná. 9 mandados são cumpridos na cidade.

Na manhã desta quarta-feira (18/11/2020) a Polícia Civil do Estado de Rondônia, por intermédio da 1ª Delegacia de Ji-Paraná (Núcleo de Roubos), deflagrou ação ostensiva para o cumprimento de 06 (seis) mandados de prisão temporária e 09 (nove) mandados de busca e apreensão visando coletar elementos de prova em inquérito que apura os crimes de organização criminosa, tráfico de drogas, lavagem de capitais e outros delitos.


Além das buscas e prisões temporárias, também foi deferido o sequestro de valores em disponibilidade dos líderes do grupo, até o limite de 200 mil reais. Dois deles são presos conhecidos no meio policial como chefes/líderes de uma das facções criminosas que agem na região.


A ação teve como alvos 11 (onze) investigados indiciados pelos crimes referidos e suspeitos de promover e integrar organização criminosa voltada ao tráfico de drogas e outros delitos, em especial em fazer adentrar drogas e celulares na unidade prisional Agenor Martins de Carvalho, localizada em Ji-Paraná, para uso de uma facção criminosa que atua na região.


A investigação tramita há alguns meses, ficando claro que a ORCRIM ora investigada é um braço de uma facção nacional, que tem atuado no município de Ji-Paraná tanto nas ruas (com roubos e tráfico de drogas) como especialmente desenvolvendo métodos para fazer adentrar celulares e drogas para faccionados que estão recolhidos nas unidades prisionais.


A investigação teve início a partir de informações de que esse grupo criminoso estaria buscando formas de lançar drogas e celulares com Drones dentro da unidade prisional, tendo inclusive ocorrido duas tentativas falhas, com a apreensão ou abate dos aparelhos pelos policiais penais.


A Polícia Civil deflagrou anteriormente, em 27 de setembro de 2020, uma operação denominada Offline, em parceria com a SEJUS, visando também colher elementos para o indiciamento dos envolvidos, com o recolhimento de diversos aparelhos telefônicos dentro da unidade prisional, os quais eram utilizados pelos líderes da facção. PCRO.

Fonte: www.correiocentral.com.br