Correio Central
Voltar Notícia publicada em 18/03/2020

Em Ouro Preto do Oeste Polícia Civil adverte mercados e farmácias contra preços abusivos

Durante a operação, a Polícia Civil advertiu estabelecimentos que esconderem produtos para vender depois, também pode responder criminalmente.

A Polícia Civil de Ouro Preto do Oeste realizou na terça-feira, 17 uma operação de vistoria e notificação em farmácias de venda de medicamentos tradicional e de manipulação, em mercados e estabelecimentos comerciais diversos da cidade.

A ação foi para checar denúncias de parte da população, de possíveis abusos que estariam sendo cometidos por comerciantes oportunistas que estão se aproveitando do estado de calamidade pública por causa da pandemia do coronavírus e onerando preço de produtos específicos em que a procura aumentou demasiadamente.

A ação da polícia foi recomendada pela promotoria de Justiça, através da Curadoria do Consumidor, que recebeu denúncias diversas, algumas delas pontuais, de aumento abusivo no preço de álcool gel e máscaras de proteção.  

“Nós estamos fazendo em todas as farmácias de Ouro Preto para monitorar os preços de álcool em gel, máscara e o álcool 70 ante a pandemia. Porque o aumento abusivo de preço de margem de lucro no preço desses produtos caracteriza o crime contra o consumidor.   

Durante a operação, a Polícia Civil advertiu estabelecimentos que esconderem produtos para vender depois, também pode responder criminalmente por crime contra a economia popular.

Outra orientação repassada para os comerciantes é que, caso tenha havido aumento do produto por parte da indústria ou do fornecedor, que eles guardem a nota fiscal de compra para justificar que não subiram o preço para aumentar a margem de lucro. “Temos que checar o lado do farmacêutico porque pode ter ocorrido de ele ter comprado mais caro da indústria na reposição do produto que esgotou no estoque”, detalha o delegado Niki Alves Locatelli, que coordena a ação dos policiais.

A polícia orienta a população que, caso haja uma suspeita de venda a preço abusivo, o consumidor deve ligar no 197, disque-denúncia da Polícia Civil, ou pela internet no endereço da Delegacia Virtual da Polícia Civil de Rondônia  http://www.delegaciavirtual.ro.gov.br/.

A reportagem do site Correio Central também recebeu inúmeras denúncias de consumidores que mencionaram o nome de estabelecimentos farmacêuticos que estariam praticando preços abusivos e se aproveitando do momento difícil por que passa a sociedade com o avanço das suspeitas de casos de coronavírus no interior do estado.

  

Fonte: www.correiocentral.com.br