Correio Central
Voltar Notícia publicada em 20/03/2020

Em Ouro Preto do Oeste homem tira a própria vida no Jardim Aeroporto

Ivaldo Canuto, que trabalhava na Madeireira Veneciana, trabalhou no turno da manhã e à tarde não retornou ao serviço.

Um homem foi encontrado morto no final da tarde desta sexta-feira (20) na cidade de Ouro Preto do Oeste na varanda de sua residência, que fica localizada no Bairro Jardim Aeroporto, à Rua Itamauru Góis de Siqueira, quase em frente ao prédio novo do CRAS – Centro de Referência de Assistência Social.

Ivaldo Canuto do Nascimento, de 50 anos, tirou a própria vida utilizando uma corda e uma cadeira de escritório pequena. Ele envolveu um laço de uma corda medindo aproximadamente 90 centímetros no pescoço, amarrada a um caibro da varanda, e saltou da cadeira.    

Ivaldo era operário de uma madeireira na cidade localizada no Bairro Alvorada – Industrial.

Segundo informações repassadas por amigos de serviço, no turno da manhã ele trabalhou normalmente e retornou para casa na hora do almoço.

À tarde, como Ivaldo não retornou para o serviço seus colegas de trabalho desconfiaram que algo de errado tinha acontecido, efetuaram uma ligação no celular dele, mas o aparelho tocou na empresa, foram até a residência e por uma fresta do portão visualizaram a cena do corpo de Ivaldo pendurado. Havia um cachorro pitbul solto na varanda.    

A Polícia Militar foi acionada ao endereço, resguardou o local e acionou a equipe da Perícia Criminal da Polícia Técnico-Científica (Politec) da Polícia Civil de Ji-Paraná. Somente quando o filho de Ivaldo chegou e amarrou o cachorro a equipe de peritos e a PM entrou na residência.  

Ao que tudo indica, o trabalhador esperou a sua esposa sair para o trabalho para cometer suicídio. Após o trabalho da equipe de peritos, o corpo foi liberado para a funerária. Ivaldo era casado e tinha um filho adulto.

CIDADE COM HORÁRIO DE VELÓRIOS REDUZIDOS EM RAZÃO DO CORONAVÍRUS

Em razão das medidas de segurança impostas pela pandemia do coronavírus no país, uma recomendação do Decreto da Estância Turística Ouro Preto do Oeste, um acordo determina que, temporariamente, os velórios na cidade tenham apenas 12 horas de duração e que no interior da funerária o número de pessoas não pode ultrapassar 20 indivíduos.

Além da morte de Ivaldo, a cidade registrou na noite desta sexta-feira o falecimento de idosa que é membro da família Lenk, e ambos os velórios devem acontecer na mesma associação funerária.

Fonte: www.correiocentral.com.br