Correio Central
Voltar Notícia publicada em 28/06/2020

Dia de fúria: sitiante tenta obrigar vizinha a comer gato morto e dispara contra ela

Agricultor foi trazido para a Delegacia em Ouro Preto do Oeste e depois foi encaminhado para a Casa de Detenção.

Redação Correio Central - Na manhã deste domingo (28) uma discussão por causa de uma gatinha, que teria sido morta por três cachorros, quase termina em tragédia entre vizinhos na zona rural de Vale do Paraíso.

Um agricultor enfurecido, de posse de uma arma de fogo, foi tirar satisfação na propriedade da vizinha e queria obriga-la a comer o animal morto.

Após a primeira discussão, ele foi a sua casa, voltou armado, exigiu novamente que a vizinha comesse a gata efetuou um disparo em direção a senhora errando o alvo e a casa, e fez menção de disparar contra uma das três filhas dela grávida de três meses que estava na casa.

O autor dos disparos, de 54 anos, ficou rondando a casa, e graças a chegada de uma viatura da Polícia Militar ele não cometeu um ato mais fatal contra a vítima e suas filhas.

Viatura da Polícia Militar de Vale do Paraíso, composta do sargento PM Farias e soldado PM Peres chegou ao local dos fatos, na Linha 615, antes que o pior acontecesse.

A filha da vítima, grávida de três meses, passou mal e teve que ser socorrida a Unidade Mista de saúde de Vale do Paraíso.

A garrucha, tipo “garruchão” calibre 28, oxidada de fabricação caseira, foi encontrada no paiol da casa do acusado, também foram recolhidos pela PM no local oito cartuchos: cinco recarregados e três originais de fábrica.

Todos os envolvidos foram levados para o quartel da PM de Vale do Paraíso, e depois encaminhados para a Delegacia Civil de Ouro Preto do Oeste, localizada na UNISP – Unidade Integrada de Segurança Pública. O sitiante foi preso em flagrante e recolhido á Casa de Detenção da cidade.  

VERSÃO DAS PARTES

A vítima afirmou à polícia que seu vizinho chegou em sua propriedade com uma gatinha morta nas mãos e acusou que seu cachorro havia matado o animalzinho de estimação.

Ela disse que tentou dialogar e perguntou se o vizinho gostaria de receber pelo valor da gata, mas ele retrucou que sua gatinha não tinha preço. Em ato contínuo, ele teria apontado a arma em direção a vizinha, efetuado um disparo e também apontado a garrucha para a filha grávida.

 O autor dos fatos admitiu em depoimento que se dirigiu até a casa da vizinha e exigiu que ela comesse a gatinha, porque ele teria presenciado na tarde de sábado três cachorros matando-a.

Ele afirmou que passou a noite praticamente em claro, e que pela manhã após ordenhar as vacas decidiu ir tirar satisfação, se armou com a garrucha e alguns cartuchos e cometeu o ato criminoso.

Ele disse que o litigio com a vizinha por causa de morte de animais seu praticado por cães dela que ficam soltos já gerou uma audiência no fórum da comarca de Ouro Preto do Oeste.   

A ARMA DE FOGO E OS CARTUCHOS FORAM ENTREGUES NA DELEGACIA CIVIL ASSIM COMO O AUTOR DOS FATOS. 

 

 

Fonte: www.correiocentral.com.br