Correio Central
Voltar Notícia publicada em 03/02/2020

Eletricista assassinado em PVH tinha vida simples; assassino deve quase R$ 70 mil a Energisa

Homicida religava a luz, xingava os funcionários e não deixava eles trabalharem. No dia do crime, ele saiu para matar e encontrou Gerson pelo caminho.

O assassinato ocorrido na última sexta-feira (31) em Porto Velho contra o eletricista Gerson Francisco Nunes, de 46 anos, funcionário da Instaladora Rondonorte, empresa terceirizada a serviço da Energisa Rondônia, foi cometido por um criminoso contumaz, com vasta ficha criminal, que certamente premeditou o homicídio e mentiu descaradamente, tendo sua versão noticiada aleatoriamente pelo seu advogado criminalizando, inicialmente, a vítima da execução covarde e insana.

O eletricista Gerson residia no Bairro Castanheira em uma moradia simples, era evangélico, e para complementar a renda juntamente com sua esposa e filhos vendia dindin a R$ 0,50 a unidade. No serviço que atuava o eletricista não tinha meio ou possibilidade de ele pedir propina a clientes.

Evandilson Veloso de Oliveira, que matou o eletricista Gerson Francisco com 4 tiros na Rua Eurico Caruso, no Bairro Aponiã, zona Leste de Porto Velho, deve quase R$ 70 mil em débitos vencidos para a Energisa.

Ele tem um histórico com 08 cortes por débito, 06 inspeções de fiscalização, 04 vistoria de auto-religação e 03 religações em seu comércio, entre março de 2018 e 21 de janeiro de 2020. Evandilson também fazia religação por conta própria.

Planilha da empresa Rondonorte revela que as visitas das equipes de trabalho ao cliente para serviços de inspeções e cortes por débitos eram tumultuadas, com casos de agressões verbais e ameaças por parte do homicida contra os trabalhadores.

Na ocasião das visitas, funcionários da empresa Rondonorte - a serviço da Energisa – que trabalham na área de fiscalização e vistoria estiveram no endereço do cliente da companhia de energia e verificaram que o medidor de energia do estabelecimento dele estava irregular e reprovaram o relógio, e em outras vezes era para religação. A vítima Gerson não fazia parte da equipe porque trabalhava na área de corte.

O argumento dado pelo advogado do assassino após sua prisão causou revolta nos trabalhadores da empresa Rondonorte, pelo fato de ele ter feito declarações acusando funcionários de terem extorquido seu cliente.

PLANILHA DE VISITAS AO COMÉRCIO DO HOMICIDA

RONDONORTE SE MANIFESTA

A direção da Construtora e Instaladora RONDONORTE emitiu nota no final da noite de domingo em que assegura estar prestando apoio psicológico para a família da vítima do crime cruel praticado pelo homicida já identificado pela polícia, e também estenderá o apoio psicológico aos demais trabalhadores que estão abalados com o ocorrido com o colega de serviço na capital, e indignados com as acusações imputadas a eles na imprensa pelo advogado do assassino.

A RONDONORTE pontua ainda que “refuta as declarações do acusado e do seu advogado feita contra os funcionários da empresa, acusando-os de pedir propina para clientes da companhia de energia”.

A empresa destaca que não existe nenhuma denúncia contra nenhum funcionário, e garante que se houvesse qualquer tentativa de pedido de propina existe o número da Ouvidoria da companhia de energia, e trabalhador que por ventura viesse a se submeter a tal prática de suborno para não realizar um trabalho designado certamente, ele seria demitido por justa causa.

A empresa destaca que “os funcionários atuam no trabalho de cortes, de fiscalização, vistoria, e também realizam 24 horas por dia o serviço de manutenção de rede, que implica no trabalho de reparo no sistema, e de religamento de energia em qualquer endereço ou localização na cidade e no setor rural, faça chuva ou sol”.

Por fim, a RONDONORTE se solidariza com todos os trabalhadores do seu quadro funcional que foram acusados publicamente de crime do qual não cometeram, e informa que está à disposição das autoridades designadas para apurar o crime cometido contra seu funcionário, para prestar informações e fornecer relatórios que irão ajudar a esclarecer o desenrolar dos fatos que culminaram na morte de um trabalhador dedicado, e pai de família exemplar.

Matéria atualizada às 15:01, de 03/02/2020

 

 

Fonte: www.correiocentral.com.br