Correio Central
Voltar Notícia publicada em 11/09/2021

Ouro Preto (RO) - Idosa morta a pauladas não queria mais relacionamento, afirmam parentes

Corpo de Iracema será sepultado neste sábado. Autor do crime admitiu sentir ciúmes de um viúvo amigo da vítima.

A aposentada Iracema Antunes da Costa, de 69 anos de idade, assassinada na última quinta-feira em Ouro Preto do Oeste (RO), pelo pedreiro Antônio Camilo da Silva, de 65 anos, que se apresentou à polícia no dia seguinte e confessou o crime, não queria mais se relacionar com o autor do crime, segundo versão de familiares da vítima.

O assassinato ocorreu na residência da vítima, localizada na rua Sebastião Cabral de Souza. A PM e o Corpo de Bombeiros foram acionados no local pelo filho de 42 anos, e um genro da vítima de 33 anos.

O corpo de Iracema será velado a partir das 7:30hs na capela da funerária Paxpass Passbom, na Avenida Duque de Caxias, e o cortejo para o sepultado deve ocorrer depois das 10 horas deste sábado, 11. A idosa deixa sete filhos e 14 netos.

Segundo parentes, o romance de Iracema e Antônio tinha em torno de 2 anos. Na noite do homicídio, que a Polícia Civil classifica como crime de feminicídio, Antônio estava na casa de Iracema juntamente com uma filha da vítima, inclusive foi o responsável por fazer a janta.

Familiares da vítima acreditam que após o jantar, e a saída da filha da casa, a discussão mencionada pelo pedreiro no depoimento houve provavelmente pelo fato de a idosa não ter deixado ele ficar na casa, e por não ter mais o relacionamento mandou que ele fosse embora.

O endereço residencial na cidade de Ouro Preto do Oeste, apresentado pelo pedreiro na Delegacia Civil fica na rua Hirraquel Hotis de Souza, no Jardim Novo Horizonte. “Ela dizia pra ficarmos tranquilos que ela estava mantendo apenas amizade com ele que frequentava a casa, mas sempre ia embora”, afirmou um neto da vítima.

PEDREIRO ADMITIU SENTIR CIÚMES DE VIÚVO

No depoimento, Antônio Camilo admitiu ter ficado com ciúmes de um homem viúvo com quem a idosa mantinha uma amizade, e que foi empurrado quando falou sobre o assunto. O pedreiro disse ainda que sua mulher, com quem teve 10 filhos, lhe deu quatro chances de reatar o casamento, e que ele preferia Iracema porque gostava dela.   

Segundo declarações de filhos e netos, o enlace de Iracema e Antonio Camilo era de separa e volta, mas ele sempre se apresentou ser um indivíduo controlado que costumava dizer para uma filha mais próxima de Iracema que amava a idosa e queria voltar com ela.

“Ele ficava na rua caçando e perseguindo ela de tudo quanto é jeito. Provavelmente eles entraram em discussão, brigaram e ele fez o que fez, a matando de pauladas em cima do sofá, e ainda foi lá no fundo falar com meu tio, como se nada tivesse acontecido. Ele tem que pagar na justiça”, disse revoltado o neto da vítima.

O delegado Niki Alves Locatelli representou pela prisão preventiva de Antônio Camilo da Silva na tarde de ontem, e aguarda manifestação da Vara Criminal.

 

Fonte: www.correiocentral.com.br