Correio Central
Voltar Notícia publicada em 13/01/2018

Quase 8 mil servidores estão fora da folha em fevereiro; eles estão com o salário bloqueado porque não se recadastraram

Dos 48,1 mil servidores, 41 mil enviaram documentação completa para o recadastramento e 21 mil foram aprovados.

PORTO VELHO – A partir da próxima semana, o Diário Oficial do Estado publicará a lista com nomes de 7,8 mil servidores reprovados no recadastramento iniciado em outubro do ano passado. Eles terão salários bloqueados, mas poderão regularizar a situação logo em seguida a esse ato governamental.

Dos 48,1 mil servidores, 41 mil enviaram documentação completa para o recadastramento e 21 mil foram aprovados, informou hoje (11) o diretor executivo interino da Superintendência Estadual de Gestão de Pessoas (Segep), Andrews José Vieira.

“Tão logo se regularizarem, os bloqueados terão seus nomes retirados na lista, dez dias após a sua publicação no Diário Oficial”, garantiu.

Civis, militares ativos, emergenciais e comissionados, pertencentes ao quadro da Administração Direta e Indireta do Poder Executivo Estadual, atualizam dados cadastrais no início de outubro do ano passado. No entanto, há situações pendentes que totalizam 14.329, somando-se aos reprovados.

Entre as falhas mais comuns constam a anexação de dois ou mais documentos num só arquivo eletrônico, quando o correto é individualmente; documentos ilegíveis; lotação incorreta.

“As pessoas podem consultar os departamentos de recursos humanos [RHs], para receber orientação a respeito de cada caso”, avisou Andrews Vieira. Alertando: “Mesmo depois de recadastrado, o servidor deve acompanhar a sua situação pelo portal do servidor ”.

Deixaram de comunicar seus dados 6,5 mil pessoas. Direções de hospitais regionais apoiaram servidores, informou a chefe de núcleo Juliana Polli, da Segep. Ela disse que o órgão solucionou diversas situações de dificuldade, a exemplo do professor indígena Fábio Cinta-Larga, vinculado à Secretaria Estadual de Educação e morador na Aldeia Tenente Marques, interior do município de Espigão d’Oeste.

Trabalhando a 208 quilômetros da cidade, o professor é um dos responsáveis pela educação dos chamados cintas-largas Paábiey [“os de cima”] do rio Roosevelt. Sem energia elétrica na aldeia e sem outro documento que apontasse o real domicílio, ele assinou declaração, que foi devidamente reconhecida pela Segep.Jocimar Guedes de Melo, técnica de saúde no Hospital de Base Ary Pinheiro, em Porto Velho, mãe de três filhos e com cinco netos, inteirou sua documentação na manhã desta sexta-feira. Ela trabalha há 34 anos no HB.

A lavadeira do HB, Maria Neuza de Farias, 10 filhos [dois falecidos] e 11 netos, disse que participou de dois recadastramentos e corrigiu uma falha de documentação no mais recente. Ela mora em Candeias do Jamari, a 18 quilômetros de Porto Velho.

CONSULTE

A determinação governamental do recadastramento dá cumprimento ao Decreto 22.303, de 29 de setembro de 2017.

Se você é servidor e pretende acompanhar o recadastramento, proceda da seguinte forma: entre no site www.intranet.ro.gov.br do Governo do Estado; digite o CPF e adicione a senha específica; se não tiver senha, crie uma, recebendo-a imediatamente no e-mail. 

Maria Neuza de Farias fez o recadastramento em tempo e está tranquila

 

 

 

 

Fonte: DECOM/RO