Correio Central
Voltar Notícia publicada em 06/03/2017

Veículo usado pela quadrilha que explodiu caixa eletrônico em Ouro Preto do Oeste foi roubado em Cuiabá

Polícia suspeita que criminosos de Mato Grosso estejam envolvidos no crime ocorrido em Ouro Preto

A Polícia Civil investiga a explosão de um caixa eletrônico do Banco do Brasil em Ouro Preto do Oeste, que funcionava no pátio da rodoviária e ficou completamente destruído após a explosão.

O crime ocorreu na madrugada do último sábado (4), pouco depois de 1 hora da madrugada, e foi praticado por quatro homens fortemente armados, que fugiram em um veículo Renault, modelo Sandero EXP, ano 2010/11, de cor prata, sem placa. Na rua Sebastião Cabral de Souza, aproximadamente a 1 quilômetro da rodoviária, os bandidos abandonaram o Sandero e entraram em um VW Gol, de cor vermelha, conduzido por um quinto elemento, e fugiram da cidade.

A polícia localizou o veículo que foi recolhido para ser periciado, e deteve quatro homens que se aproveitaram do crime e se apossaram de uma quantia de dinheiro que ficou espalhado no chão do pátio da rodoviária.

De acordo com o delegado Julio Cezar de Souza Ferreira, o veículo Sandero abandonado pela quadrilha na cidade, consta no Sistema Nacional de Informação de Segurança Pública (Sinesp) com restrição de roubo na cidade de Cuiabá (MT), e a placa original é NXT-0750, em nome de João Bosco Maiolino de Mendonça. “Estamos trabalhando no caso, mas até agora só podemos afirmar que tem participação de gente de Mato Grosso envolvido no crime”, disse o delegado.

APROPRIAÇÃO DE COISA ACHADA

Quanto aos quatro homens que ficaram em poder da quadrilha durante o crime, foram arrolados como testemunhas e depois foram detidos pela PM por se apossarem de dinheiro que ficou espalhado no pátio da rodoviária, eles foram liberados pelo Delegado Julio Cesar de Souza Ferreira, mas vão responder por apropriação de coisa achada.

De acordo com o artigo 169 do Código Penal, no artigo II “quem acha coisa alheia perdida e dela se apropria, total ou parcialmente, deixando de restituí-la ao dono ou legitimo possuidor ou de entregá-la à autoridade competente, dentro do prazo de quinze dias” está sujeito a pena de um mês a um ano de detenção, ou multa.

Após devolverem o dinheiro, prestarem depoimentos, os quatro foram liberados.

HOMENS QUE CATARM DINHEIRO NO CHÃO VÃO RESPONDER POR APROPRIAÇÃO DE COISA ACHADA

 

Fonte: Por Edmilson Rodrigues