Correio Central
Voltar Notícia publicada em 07/06/2018

Professor de Ouro Preto é condenado a mais de 9 anos por abuso sexual contra uma menor; vítima denuncia Coação

Professor escapou da cadeia, por enquanto, porque recorreu mas a vítima estaria sendo intimidada por ele e uma testemunha.

Um professor de 53 anos lotado na rede estadual de educação em Ouro Preto do Oeste foi condenado a 9 anos, 7 meses e 6 dias de prisão por ter se envolvido sexualmente com uma adolescente com 13 anos de idade; ele se valeu da condição de músico numa igreja de uma comunidade católica na cidade para seduzir a menor, e afirmou em depoimento à época que praticou sexo com ela três vezes, em sua residência.

A condenação foi proferida pelo juiz criminal mês passado, no dia 7 de maio, mas como o condenado recorreu no Tribunal de Justiça do Estado (JR/RO), ele aguarda em liberdade.

No entanto, um fato novo ocorrido nesta quarta-feira (6) de denúncia de Coação feita pela família da vítima, que já ocorreu no decorrer da investigação e do trâmite do processo na Justiça, pode levar o professor condenado a cadeia antes do julgamento dele em segunda instância.

Pessoas que teriam agido da mesma maneira, tentando defender o condenado no curso do processo, e uma testemunha, que estaria de maneira intimidatória e psicológica ‘acuando’ a vítima de estupro de vulnerável, também poderão ter problemas com a Justiça.   

O caso do professor, que foi transferido para Ouro Preto do Oeste vindo do município de São Francisco do Guaporé, foi denunciado em agosto do ano passado, assim que a família descobriu.

A Polícia Civil investigou, ouviu o acusado, a vítima e testemunhas e após concluída esta etapa, o Inquérito Policial foi remetido ao Ministério Público, que ofereceu a denúncia ao Juizado Criminal.

Nesse meio tempo, o professor foi afastado da sala de aula na Escola Joaquim Nabuco onde lecionava e foi lotado na Coordenação Regional de Educação (CRE), e também foi afastado das funções na igreja onde ensinava música em meio ao grupo de Liturgia, em que a menor participava cantando.

O processo de Estupro de Vulnerável segue em segredo de Justiça, mas a reportagem do site Correio Central apurou o caso, confirmou a condenação e também o registro da ocorrência policial feita ontem pela mãe da menor, informando que uma testemunha do professor estaria rondando a casa da família e encarando a vítima.

O delegado Niki Alves Locatelli não deu maiores detalhes sobre o assunto, apenas afirmou que conduziu o inquérito entre setembro e novembro do ano passado, ele confirmou a denúncia de ontem, e disse que a queixa será remetida para o Poder Judiciário.

No começo deste ano, a mãe da vítima registrou uma ocorrência afirmando que uma mulher ligada ao trabalho do professor teria procurado a menina, e ele próprio teria passado nas imediações da casa dela e na escola onde ela estuda.

A reportagem também apurou com familiares da menor que na última terça-feira (5), uma testemunha do professor condenado passou duas vezes em frente à residência da vítima encarando-a.

Temendo pela integridade física e diante da pressão psicológica que a vítima demonstra, sentindo-se como se tivesse sendo coagida, a mãe registrou nova ocorrência na Delegacia de Polícia Civil.

Imagem: ilustração

Fonte: www.correiocentral.com.br