Correio Central
Voltar Notícia publicada em 26/09/2018

Polícia de Ouro Preto prende quatro mulheres e um travesti na operação Thipon, de combate ao tráfico

As prisões com mandado de busca ocorreram no Bairro Liberdade, Conjunto Ouro Preto e no Jardim Novo Estado.

A Polícia Civil com o Núcleo de Inteligência da Polícia Militar de Ouro Preto do Oeste realizaram no final da tarde de ontem a Operação Thipon, de combate ao tráfico de drogas, e conseguiu prender quatro mulheres e um travesti suspeitos de crimes de tráfico de drogas e associação para o tráfico, as prisões ocorreram no Bairro Liberdade, Conjunto Ouro Preto e no Jardim Novo Estado.

No cumprimento de Mandados de Busca e Apreensão e de prisões expedidos pelo juiz da Vara Criminal da Comarca, foram presos Sirlene Pereira Andrade, conhecida por “Amanda”, de 32 anos, que mora na rua Olavo Bilac, Maria Aparecida Rosa Santos, a “Cida”, 33 anos, que mora na rua Guaporé no Novo Estado, Giocélia Lima de Sena, a “Gioce”, 41 anos, também da rua Guaporé, Tânia de Lima Sena, 32 anos, que mora no Conjunto Ouro Preto (Cohab II) e Rosenildo dos Santos, conhecido por “Bruna”, de 34 anos, que mora na rua Guaporé.

O nome da operação é em alusão a Thipon, deus da mitologia grega que está relacionado a tudo que interfere e altera em nossa consciência e nos torna incapazes de qualquer reação física para que possamos nos autodefender.  

Na operação Thipon, os policiais apreenderam vários celulares, 20 relógios, joias, semijoias, frascos de perfumes e produtos que podem ser objetos de furto ou roubo.

O Serviço de Investigação (Sevic) da Polícia Civil e a P-2 estão trabalhando a quatro meses no levantamento de informações sobre os investigados e o modus operandi dos suspeitos de comercializar drogas na cidade. Há duas semanas, dois casais foram presos em operações na cidade.

O delegado Niki Alves Locatelli, titular da Delegacia Civil de Ouro Preto, e coordena as investigações que estão resultando num levante contra o tráfico de drogas na cidade, destacou a importância da intolerância da população local com o tráfico de drogas e tem denunciado locais usados para essa prática.

“Homicídio e tráfico de drogas têm sido o nosso foco, e só temos de dizer para a população que continue denunciando as bocas de fumo com movimentação suspeita que a gente vai investigar. O combate ao tráfico de drogas vai continuar”, adverte o delegado.

 

 

Fonte: www.correiocentral.com.br