Correio Central
Voltar Notícia publicada em 04/01/2019

Morre no Heuro pastor que sofreu acidente em buraco da BR-364; vítima residia em Ji-Paraná

Idalécio era eletricista e estava vindo para uma perícia médica no INSS em Ouro Preto do Oeste, e veio a sofrer o acidente no trecho perigosíssimo da BR-364.

O pastor Idalécio Ferreira de Souza, 54 anos, que sofreu um grave acidente na manhã de quinta-feira (3), ao cair com a motoneta Honda Biz 125 em uma das centenas de crateras abertas na BR-364, entre Ouro Preto do Oeste e o início da 3ª pista sentido a Ji-Paraná, não resistiu ao traumatismo que sofreu na cabeça e morreu pouco depois de chegar no Heuro, em Cacoal.  

Idalécio residia atualmente em Ji-Paraná, congregava na Assembleia de Deus da Missão, era eletricista da Central Norte e estava afastado de suas funções por problemas de saúde. Ele veio a Ouro Preto do Oeste para realizar uma perícia médica na unidade do INSS localizada na Avenida Duque de Caxias.  

Idalécio foi socorrido pelo Corpo de Bombeiros ao Hospital Municipal Dra Laura Maria Carvalho Braga, no pronto socorro ele foi diagnosticado com traumatismo craniano, e após ser medicado e sedado ele foi encaminhado para Cacoal, ao Hospital de Urgência e Emergência Regional (Heuro).

O corpo do pastor está sendo velado no tempo da Igreja Assembleia de Deus da Missão, no Bairro Novo Ji-Paraná, à rua Valmar Meira. O sepultamento será nesta sexta-feira, às 16 horas.

A morte do pastor é uma tragédia anunciada. O trecho que compreende da saída de Ouro Preto do Oeste até o início da 3ª pista se tornou um dos mais perigosos da BR-364 em razão dos inúmeros buracos que se formaram nas duas pistas.

Todos os dias e noites, é possível contar de um a três veículos estacionados, com o alerta ligado, e famílias trocando pneus estourados por buracos. Motoristas de veículos pesados e leves andam em ziguezague para desviarem dos buracos, aumentando o perigo.  

Idalécio caiu em um dos buracos da curva próximo a entrada do acesso ao travessão da Linha 37 e bateu a cabeça no asfalto

Fonte: www.correiocentral.com.br