Correio Central
Voltar Notícia publicada em 10/11/2017

Jovem de 21 anos atira na própria cabeça com uma espingarda, na zona rural de Teixeirópolis

O pai encontrou o filho caído no chão da cozinha, pouco depois a mãe entrou na casa e entrou em choque ao presenciar a triste cena

Um jovem de 21 anos deu fim à própria vida dando um tiro na cabeça com uma espingarda calibre 22, o suicídio foi registrado na manhã desta sexta-feira (10) na Linha 24, Km 22, zona rural do município de Teixeirópolis.

O corpo de Bruno Caires Florindo foi encontrado pelo pai, o senhor Nilton Florindo Benedito, 51 anos, que estava oirdenhando vacas no curral e quando foi até a residência viu o filho caído no chão da cozinha, e ao lado do corpo havia uma espingarda calibre 22, cor preta, de fabricação artesanal. O pai pensou que o filho estava desmaiado, mas ao mexer no corpo para tentar reanima-lo, percebeu que o filho havia tirado a própria vida.

O drama da família aumentou quando a mãe do jovem entrou na casa, e ao se deparar com o filho no chão sem vida, entrou em choque e desespero emocional, tendo o senhor Nilton que retirado a sua companheira do local e acionado a Polícia Militar em Teixeirópolis.

Os peritos de criminalística Cleverson e Vinicius da Polícia Civil em Ji-Paraná ao local, e constataram que o jovem apresentava uma perfuração do lado direito da cabeça, e que a espingarda foi a arma utilizada para o disparo fatal.

A arma e a capsula do projetil disparado foram entregues pelos policiais militares de Teixeirópolis, na Delegacia Civil de Ouro Preto do Oeste, onde foi registrada a ocorrência de suicídio, e o corpo liberado para a funerária da Associação Vida Nova.   

De acordo com depoimento dos pais, Bruno havia chegado à propriedade no dia 26 de outubro do estado de Mato Grosso, e alegado que estaria começando a sofrer uma depressão, por isso tinha vindo para a casa dos pais, pois perto da família poderia se recuperar mais depressa.

O jovem era calmo, de boa índole e querido por familiares e amigos, e já havia realizado consulta com psicólogo. Os pais e amigos não sabem dizer o que levou Bruno a entrar numa depressão tão profunda a ponto de tirar a própria vida, tampouco onde ele arranjou a espingarda.

 

   

 

Fonte: www.correiocentral.com.br