Correio Central
Voltar Notícia publicada em 09/08/2018

Jorge Teixeira: da operação Abrindo o Jogo, 9 prisões são mantidas, vereadoras e secretária são soltas

Vereador Paçoca e o empresário Raimundo Conti continuam presos, vereadoras e secretárias estão em prisão domiciliar.

Edmilson Rodrigues - Foram transformadas em prisões preventivas pela Justiça nove das 12 prisões temporárias – incluindo a do vereador Antônio Marcos Diógenes Cavalcante, o “paçoca” (PRB) e o empresário Raimundo José Corti - efetuadas em Jorge Teixeira na operação Abrindo o Jogo, deflagrada no dia 30 de julho pela Polícia Civil de Rondônia, que apura atentado contra a vida do radialista Hamilton Alves e desvios de verba pública no município.

A reportagem do site Correio Central apurou que a vereadora Neusa de Almeida Santos (PDT) foi liberada mediante o uso de tornozeleira eletrônica e ficará em prisão domiciliar, pelo motivo de dois dias antes de ser presa ela ter realizado uma cirurgia plástica, e como o médico atestou em laudo que ela poderia correr o risco de pegar uma infecção e corria risco de morte caso fosse mantida presa na unidade prisional, a parlamentar acabou solta.

A vereadora Eranides Pereira de Santana do PT, e a secretária municipal de Educação Leoni Aparecida Cardoso da Silva, foram liberadas e cumprirão medidas cautelares porque estão colaborando com a Justiça, informou ontem o delegado Cristiano Martins Mattos, titular da Delegacia de Homicídios de Ji-Paraná, que conduz as investigações.    

“O juiz atendeu todos os nossos pedidos. Apenas a secretária de educação do município e a vereadora Eranides, pelo fato de elas estarem colaborando e ajudando nas investigações, a gente pediu a soltura delas e também o afastamento das funções e a proibição de frequentar a prefeitura, afastamento das funções públicas e todas aquelas medidas judiciais adversas a prisão além da proibição do contato com os investigados”, detalhou o delegado Cristiano Mattos ao site Correio Central.   

Além da investigação sobre a tentativa de execução do radialista, o Inquérito apura possíveis desvios de recursos em um contrato de transporte escolar executado pela prefeitura de Jorge Teixeira em valores superiores a R$ 1 milhão.

Junto com o vereador Paçoca e o empresário Raimundo Corti, continuam presos André Willian Almeida Ferreira, o “Dedé”, filho de Neusa e chefe do setor de Licitação da prefeitura, a contadora Neuci Alves de Oliveira Nascimento, o empresário Raimundo José Corti, sócio da empresa VTP Transparente Transportes, Nivaldo de Moraes Aguiar, Thiago Cirillo Simões, Teotônio Gomes Ferreira, Arnaldo Almeida Santos, o “Naldim”, também filho de Neusa, e Douglas Almeida Ferreira, pregoeiro e presidente da CPL, sobrinho da vereadora Neusa.

Os acusados irão responder por Associação Criminosa Armada, corrupção, fraude à licitação e falsidade ideológica. “Quanto a tentativa de homicídio estamos reunindo provas”, limitou-se o delegado.   

No dia da operação, a polícia apreendeu quatro armas de fogo, sendo duas com os filhos da vereadora, um revólver com o dono da empresa de ônibus e a quarta arma com Marcos Brasil, que foi ouvido e pagou fiança para ser liberado.

Nove presos temporariamente tiveram suas prisões preventivadas pela Justiça para não atrapalharem as inestigações 

Delegado Cristiano Mattos conduz as investigações em Jorge Teixeira que apura desvio de verbas e tentativa de homicídios 

Fonte: www.correiocentral.com.br