Correio Central
Voltar Notícia publicada em 18/06/2018

Idoso morto em Teixeirópolis após sofrer nas mãos de dois jovens juntava dinheiro para construir muro

O fato de seu Gonçalo juntar dinheiro em casa chamou atenção de Edivan e Bruno que decidiram assaltá-lo.

A intenção do aposentado Gonçalo Nascimento Machado, 76 anos, o seu “Doro”, que morreu de infarto na madrugada de quinta-feira (14) após ficar mantido refém em sua casa durante um roubo praticado por dois jovens, com a boca amordaçada e as mãos amarradas ao pé da cama, era melhorar a segurança de sua casinha de madeira na cidade de Teixeirópolis.

Ele estava juntando dinheiro para construir um muro na frente da residência, e tinha o hábito de guardar dinheiro em casa, fato que gerou o comentário de que ele tinha R$ 2,5 mil em espécie guardados e possivelmente acabou atraindo os dois jovens para roubá-lo.

Carlos Astenreter, perito criminal da Polícia Técnico-científica (Politec) da Polícia Civil, em entrevista ao site Correio Central relatou que sua equipe chegou a casa do idoso por volta de 2 horas da madrugada e o corpo da vítima já estava com resfriamento corporal e iniciando a rigidez cadavérica.

“Geralmente, quando começa a rigidez, está em torno de quatro a seis horas (da morte). Quando os PMs chegaram lá ele tinha um short amordaçado na boca e quando nós chegamos as mãos estavam amarradas com cadarço bem apertado. Não teve luta corporal porque ele era um senhor fraquinho”, detalhou o perito da Polícia Civil.

Num trecho do depoimento Edivan Justino Vaz, que rendeu e amarrou a vítima ele disse que, como não encontrava dinheiro perguntou ao idoso que respondeu “não tem não moço, não tem não!”.

No velório do idoso em Ouro Preto do Oeste, dois filhos do idoso lamentaram o ocorrido, e afirmaram que ele gostava de viver independente, não sabia sacar dinheiro no terminal eletrônico e sempre recorria a ajuda de pessoas.

Um dos filhos, Manoel Alves Pereira, que mora em Ji-Paraná, estava muito triste com o trágico fim de vida do seu pai e comentou que ele gostava de viver daquela maneira, mas tinha aceitado se mudar em breve para a casa dele em Ji-Paraná. “Ele tinha aceitado ir para Ji-Paraná, nós íamos construir um cômodo pra ele dentro do meu quintal”, disse.

O filho do aposentado, afirmou que para construir o muro na casa de Teixeirópolis seu pai estava juntando dinheiro, tinha uma reserva de R$ 1.250,00 na conta, fora o salário que recebeu recentemente, porém na manhã de ontem assim que chegou a Ouro Preto do Oeste foi ao banco verificar a conta e não havia um centavo.

Se o aposentado sacou todo o dinheiro, e os dois ladrões que entraram na asa dele afirmam que não encontraram o dinheiro é possível que o idoso tenha atraído outro oportunista.

Investigadores da Polícia Civil já tem essa informação, e de posse de outros dados colhidos com testemunhas poderá chegar a mais envolvidos em crime praticado contra Gonçalo Nascimento Machado, que foi velado na Associação Vida Nova e enterrado no outro dia no cemitério Campo Santo, em Ouro Preto do Oeste.

IDOSO QUERIA CONSTRUIR MURO EM SUA CASA EM TEIXEIRÓPOLIS

Fonte: www.correiocentral.com.br