Correio Central
Voltar Notícia publicada em 13/08/2017

Em Ouro Preto, criança de 4 anos se afoga em piscina de clube e é internada na UTI do HR em Cacoal

O médico André Paulino viajou na ambulância com a criança intubada até Cacoal; é o segundo registro de afogamento no local em um mês

Um garotinho de 4 anos de idade, que reside no Jardim Aeroporto, sofreu afogamento em uma das piscinas do Parque Recreativo Tocari na tarde de sábado (12), e graças ao empenho da equipe de plantão no atendimento emergencial do Pronto Socorro do Hospital Municipal Dra. Laura Maria Carvalho Braga, ele foi reanimado em tempo, enviado para o Hospital Regional de Cacoal, e está internado em observação em uma ala de pediatria com UTI.   

Este é o segundo afogamento de criança que ocorre no clube em pouco mais de um mês, e nenhum dos incidentes foi registrado na Delegacia Civil, nem por familiares.

O plantonista médico André Paulino, chefe da equipe de plantão do HM de Ouro Preto do Oeste, acompanhou a criança na ambulância até Cacoal, ela foi intubada no balão de oxigênio devido ao seu quadro de saúde. “A criança chegou no hospital gemente, abrindo os olhos já, mas não estava conversando. O quadro dele no início foi de cianose nas extremidades, com taquidispnéia estava desorientado e gemendo, apresentando tremores. Decidimos encaminhar urgentemente para Cacoal”, detalhou o médico, o quadro clínico da criança. Cianose é quando a pele fica azulada.

A equipe do Pronto Socorro do HM realizou os procedimentos de primeiros socorros na criança, e solicitou vaga junto à Central de Regulação de Urgência e Emergência – CRUE do Hospital Regional em Cacoal.

No último caso de afogamento, uma menina de 8 anos se afogou e por sorte um médico do Programa Mais Médicos e uma enfermeira do Pronto Socorro do Hospital Municipal de Ouro Preto, sócios do Clube, ajudaram no socorro. O médico fez respiração boca a boca na criança e ela reanimou. A enfermeira, que pediu sigilo do seu nome, disse que se eles não tivessem agido naquele momento, o afogamento poderia ter se tornado uma fatalidade.

 

  

 

  

Fonte: www.correiocentral.com.br - fotos Edmilson Rodrigues