Correio Central
Voltar Notícia publicada em 06/09/2019

Chuva com ventos fortes causa destruição e prejuízos em Ouro Preto do Oeste, RO

O vendaval causou muitos estragos e prejuízos que ainda estão sendo contabilizados na cidade e no setor rural.

Uma chuva com fortes rajadas de vento com duração de quase meia hora provocou um caos na cidade de Ouro Preto do Oeste no final da tarde desta quinta-feira que se estendeu por toda a madrugada.

Na manhã de hoje os comerciantes, moradores em geral e produtores rurais contabilizam os prejuízos. Não há informação de feridos.

Para muitos, o prejuízo e os transtornos com a chuva e a ventania que começou por volta de 16h50min foram agravados pela falta de energia que durou quase 17 horas na maior parte da cidade, setores chacareiros e área rural.

A prefeitura, através da Secretaria Municipal de Infraestrutura e Obras (SEMINFRA), e o Corpo de Bombeiros atenderam os chamados mais urgentes durante o temporal. Até o início da madrugada esta sexta-feira, homens a serviço da prefeitura trabalharam na retirada de troncos e galhadas de árvores que interrompiam trechos de avenidas e ruas da cidade.

A SEMINFRA divulgou que até às 21 horas de quinta-feira foram retiradas mais de 40 árvores de médio e grande porte de ruas da cidade, sem contar as árvores que caíram no Bosque e nas áreas de chácaras.

A cena mais forte foi registrada no Jardim Novo Estado, no muro lateral da Escola Cora Coralina (antigo Horácio Carelli) onde a raiz de uma árvore enorme foi arrancada do chão, e só não foi levada pelo vento porque ficou presa sob um caminhão com gaiola boiadeiro que ficou suspenso do chão.

Os ventos atingiram fachadas comerciais, cobertura de postos de combustíveis, de templos religiosos e dezenas de residências. A falta de energia no setor rural causou prejuízo para produtores de leite devido a falta de energia elétrica causada pela queda de árvores em cima de fiação elétrica.

ESCOLA AURÉLIO BUARQUE

Os ventos fortes e a chuva levaram pânico aos alunos, direção e educadores da Escola Estadual Aurélio Buarque de Holanda Ferreira, no Jardim Aeroporto. Três salas de aula foram completamente destelhadas com os alunos em sala de aula, outras repartições também foram destelhadas e o estacionamento lateral desabou.

A direção da Escola acionou o Corpo de Bombeiros após o vendaval para avaliar os estragos. “Os alunos entraram em desespero, mas graças a Deus ninguém se machucou. Foi só o susto”, relatou a diretora da instituição. O Hospital Municipal Dra. Laura Maria Carvalho Braga também foi afetado pelo temporal.  

BOSQUE MUNICIPAL

O parque do Bosque Municipal Adelino de Morais foi severamente atingido pela forte ventania, várias árvores e um coqueiro foram arrancados e caíram. O coqueiro caiu sobre um quiosque que foi completamente destruído. O Corpo de Bombeiros avaliou e liberou o local público para visitação e eventos, e a SEMINFRA disponibilizou dezenas de homens para efetuar a remoção das árvores, galhos e sujeira.

Em toda a cidade foram registrados estragos. Duas partes do muro lateral do quartel da 3ª Companhia da Polícia Militar desabaram; na Rua Seringueiros a parede frontal de uma casa em reforma foi ao chão atingindo até a calçada da rua.

Árvores se partiram ou foram arrancadas nas Avenidas XV de Novembro, Capitão Sílvio Gonçalves de Farias, na Rua Princesa Isabel e no Bairro Alvorada (Industrial).

De acordo com Braz Paganini, Diretor de meio Ambiente da SEMINFRA, informou que ainda não é possível contabilizar a quantidade de árvores pequenas do replantio que vem sendo feito na cidade de 10 anos para cá se quebraram ou foram arrancadas do chão pela força do vento. (texto atualizado e corrigido às 10h47 de 06/09.

   

 

 

Fonte: www.correiocentral.com.br