Correio Central
Voltar Notícia publicada em 22/08/2017

Resultado dos exames do alimento e a água consumidos na Escola Joaquim Nabuco sai na próxima semana

Aluno de 8 anos em tratamento particular usa sonda e toma medicação intravenosa para combater uma forte bactéria, ainda não identificada

Amostras de alimentos e da água consumida fornecidas na quarta-feira (16) pela Escola Municipal Joaquim Nabuco a mis de 60 crianças que passaram mal, e tiveram que ser hospitalizadas, foram enviadas pela prefeitura da Estância Turística de Ouro Preto do Oeste ao Laboratório Central de Saúde Pública de Rondônia (Lacen) em Porto Velho, para análises e, em 15 dias, a contar de segunda-feira (21), sai o resultado.

Um dos alunos da Escola, com 8 anos de idade, ficou internado no Hospital Bom Jesus por três dias, e os exames revelaram que ele foi acometido de uma bactéria muito resistente, e o aluno está em tratamento e usando uma sonda para tomar medicação intravenosa duas vezes ao dia. “O médico constatou que meu filho teve infecção intestinal, ele teve muita diarreia, vômito e dor de cabeça. Até amanhã a bactéria será identificada”, contou o pai, que é ortodontista.

Na última quinta-feira, a Escola foi inspecionada, e após a coleta da água para análise as caixas d’água foram lavadas e todos os compartimentos onde são guardados os itens da merenda escolar foram vistoriados.  

O Promotor de Justiça Evandro Araújo Oliveira e o prefeito Vagno Gonçalves barros “Panisoly” estiveram visitando a Escola na sexta-feira, e recomendou ao prefeito algumas medidas. “Pelo que eu vi aí os alimentos estão no prazo de validade, o acondicionamento eu não vi nada de irregular, mas a vigilância acha que se for alimento é por causa da manipulação”, desconfia.

O promotor também orientou a Secretaria Municipal de Educação (SEMECE) a realizar um treinamento com todas as merendeiras para padronizar um modelo de manipulação de alimentos que seja eficiente e evite que haja contaminação nos depósitos de alimentos das escolas municipais.

Os pais dos alunos que mantêm um grupo de discussão no Whatsapp estão estudando as medidas que irão tomar após o incidente, e aguardam respostas das autoridades competentes sobre o que teria causado o mal-estar nas crianças. Alguns pais relatam que seus filhos ainda sentem alguns dos sintomas dos quais estavam acometidos no dia da internação.

CONSELHO DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR

A Escola Joaquim Nabuco foi transferida do Estado para o município no ano passado. Os professores pertencem aos quadros da Secretaria de Estado da Educação (Seduc) e estão cedidos por 2 anos, dentro do reordenamento escolar em que o Governo Estadual fica com as turmas do 6º ao 9º e ensino médio, e o município do pré ao 5º ano com base do que está previsto na Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB). A escola desde o foi transferida para o município no ano passado, os professores são do Estado e a gestão da Secretaria Municipal de Educação (SEMECE).

O Conselho de Alimentação Escolar (CAE), composto por tanto por funcionários como representantes de pais, é responsável pela vistoria a merenda escolar fornecida em todas 15 instituições escolares do município, e juntamente com o setor de nutrição da SEMECE acompanha desde a chegada dos componentes da merenda até a entrega e armazenamento nas escolas, inclusive na Joaquim Nabuco.

PREFEITO E OPROMOTOR DE JUSTIÇA VISITARAM A ESCOLA DURANTE A INSPEÇÃO DA VIGILÂNCIA

MAIS DE 50 CRIANÇAS PASSARAM PELA ALA PEDIÁTRICA DO HOSPITAL MUNICIPAL

Fonte: www.correiocentral.com.br - fotos Edmilson Rodrigues