Correio Central
Voltar Notícia publicada em 18/11/2017

Mulher que desapareceu em Ouro Preto no dia do feriado ligou para a polícia, e não quis falar com a família

Mulher de 28 anos anos deixou marido, três filhos de 3, 5 e 11 anos e a sogra na quarta-feira a tarde, mas ligou para o delegado

EDMILSON RODRIGUES - A família de Geisa Boemi Gonçalves, 28 anos, que mora em Ouro Preto do Oeste, RO na rua 7 de Setembro, Jardim Tropical, desapareceu no começo da tarde de quarta-feira, feriado do Dia da Proclamação da República, não deu notícias para seus familiares e sua sogra decidiu fazer um apelo público para a nora que, apesar de estar como desaparecida em campanhas nas redes sociais, fez contato com a Delegacia de Polícia da cidade, e disse que estava bem, porém declarou que não queria fazer contato com o marido e filhos.   

A mulher é casada há 14 anos com Lailton Conceição da Silva, é mãe de três filhos e filhas pequenos, com idade de 3 anos que ainda é amamentado pela mãe, outro de 5 anos, e uma menina de 11 anos. Na tarde do feriado de quarta-feira, Geisa teria falado pela última vez com a filha mais velha, de 11 anos, e não voltou mais para casa.  

A reportagem do site Correio Central entrou em contato ainda na tarde da última quinta-feira (16) com o delegado Niki Alves Locatelli, que responde pela Delegacia de Polícia Civil em Ouro Preto do Oeste, e ele confirmou que Geisa de fato telefonou para a delegacia local, de um telefone fixo, após se identificar disse onde estava, mas não queria revelar o endereço. “Ela ligou de uma delegacia e pediu sigilo, não autorizou que divulgássemos e é um direito dela. Ela informou que estava bem, mas não queria que divulgasse o endereço”, informou doutor Niki Locatelli.  

Como o delgado já conversou diretamente com a mulher anteontem e ela se identificou na cidade de onde telefonou, a ocorrência policial registrada de Pessoa Desaparecida deixou de ser prioridade para a polícia, e a reportagem do site Correio Central não divulgou os fatos.   

SOGRA SE MANIFESTA

No final da tarde deste sábado (18) a senhora Maria da Conceição, que é sogra da mulher que era tida como desaparecida, entrou em contato com a reportagem e fez um apelo para sua nora, sob várias alegações, entre as quais a de que as crianças estão adoecendo, e o pai delas não está conseguindo administrar a situação.  

Dona Maria disse que seu filho, que é o marido, e os três filhos do casal estão desnorteados, e querem saber notícia da mãe, e seria bom ela se manifestar. “Ela (Geisa) tem que falar o que vai fazer, se ela vai voltar e o que vai fazer da vida. Ela deixou ele aqui com as crianças, e meu filho é diabético. As crianças, uma está traumatizada, a mais nova está doente e todos nós estamos sofrendo. Ela tem que falar onde está, e se não vai voltar”, cobra a avó.

Dona Maria disse que não está exigindo que sua nora volte, apenas que ela se manifeste e dê um fim nessa situação. “A gente não vai preocupar ela, é uma escolha dela não voltar”, garante.

Foto: arquivo de família

 

Fonte: www.correiocentral.com.br