Correio Central
Voltar Notícia publicada em 26/06/2017

Artesão de Ouro Preto vai expor seu trabalho no Pernambuco sem apoio público, e apenas com a passagem de ida

Genivaldo vai a Feneart em Olinda só com a passagem de ida; ele procurou ajuda do prefeito, vice-prefeito e vereadores e ouviu um não bem redondo

No dia 28 de julho, um caminhão do PAB (Programa do Artesanato Brasileiro) vai passar na casa do artesão ouro-pretense-do-oeste Genivaldo Ribeiro Bastos, 39 anos, localizada na BR-364, ao lado do Centrer, e carregar mais de 200 peças artesanais e dezenas de pequenas peças confeccionadas em madeira aproveitada, e seguirá para o Centro de Convenções de Olinda, na grande Recife (PE), para a 18ª edição da Fenearte – Feira Nacional de Negócios e Artesanato, que será de 06 a 16 de julho.

O artesão vai embarcar para Recife em ônibus no dia 30 de junho com a passagem apenas de ida, que conseguiu comprar graças ao apoio que recebeu de um político e nove representações comerciais de Ouro Preto do Oeste, e o restante do dinheiro que sobrou dará apenas para ele arcar com despesas de alimentação durante a feira.

Genivaldo foi o primeiro dos oito artesãos de Rondônia selecionados para a Fenearte, porém não conseguiu apoio do poder público para viajar; ele disse que procurou o prefeito da cidade e ouviu um não, o vice-prefeito também disse que a situação está difícil, e na Câmara Municipal todos os vereadores se esquivaram de dar uma ajudar mínima para o artesão. “Eu vou com a cara e a coragem, e para voltar pra casa tenho que vender, eu tô levando oito caixas de peças e se Deus quiser eu vou vender”, anima-se o artista.

Genivaldo, que mora numa casa simples, e trabalha no quintal a ceu aberto, confecciona bandejas, fruteiras, petisqueiras, tábua de churrasco, peças decorativas e aneis, chaveiros e pulseiras de coco babaçu, coco do mato, com cascas e restos de madeira como Ipê, maracatiara que ele pega em serrarias, e a única madeira bruta que ele utiliza é a Teca que não necessita de documentação ambiental. O artesão transforma em arte as sobras da natureza de madeireiras e serrarias que seriam queimadas.

Com a condição precária de Genivaldo para ir tão longe expor a arte local, percebe-se que, apesar de Ouro Preto do Oeste ter sido elevada a Estância Turística, os representantes públicos não dão a importância devida, e tirar um trocadinho do bolso nem pensar embora alguns deles adoram sair numa foto, e ainda almejam se eleger a cargos mais importantes futuramente.

Até a próxima quinta-feira Genivaldo ainda pode receber alguma ajuda para viajar para a Fenearte, e caso alguma empresa ou cidadão queira ajuda-lo, pode entrar em contato com diretamente o mesmo pelo telefone celular nº 99278 9995.

Genivaldo conseguiu comprar a passagem de ida e garantir o dinheiro para se sustentar em Olinda por 10 dias graças à ajuda voluntária do deputado Marcelino Tenório; do Graúna Resort Hotel; da Casa da Lavoura; Vale das Cachoeiras; Real Materiais para Construção; Sicoob Ourocredi; Cerâmica Santa Cruz; Posto Dom Bosco e o Supermercado Breda. As doações variaram de R$ 300,00 a R$ 50,00.   

ANEIS, CHAVEIROS E PULSEIRAS FEITOS COM MADEIRA QUE IRIA SER QUEIMADA

GENIVALDO RIBEIRO BASTOS TRABALHA SUA ARTE NO QUINTAL DE SUA CASA

TRONCO DE MADEIRA QUE IA PARA O LIXO É TRANSFORMADO EM POLTRONA PELO ARTESÃO

CASCA DE MADEIRA VELHA VIRA SOFÁ NAS MÃOS DO ARTESÃO DE OURO PRETO DO OESTE

 

Fonte: www.correiocentral.com.br - fotos Edmilson Rodrigues