Correio Central
Voltar Notícia publicada em 12/06/2018

Advogada contrata funerária para fazer velório de cadela, em Minas

Cadelinha Jully morreu aos 16 anos no último sábado, após sofrer uma parada cardíaca. Velório teve até lista de presença.

A advogada criminalista Renata Apolinário, de 27 anos, de Governador Valadares, no Vale do Rio Doce, contratou serviço funerário e fez um velório na capela da funerária para prestar as últimas homenagens à sua cachorrinha de estimação da raça poodle, a Jully, que morreu no último sábado, aos 16 anos, após sofrer uma parada cardíaca.

O velório teve duração de duas horas, no domingo, com direito a ornamentação com flores e até lista de presença. Houve cortejo fúnebre até ao sítio, na saída de Valadares, onde o corpo do animal foi sepultado com direito a flores e mensagens.

O velório da cachorrinha teve todo o suporte de um velório humano, segundo a advogada, que quis homenagear Jully à altura do amor que ela disse sentir pelo animal de estimação.

Ao receber a notícia do hospital veterinário que Jully havia morrido, Renata conta que postou uma mensagem no Facebook agradecendo a Deus pelo tempo que Jully viveu com ela e, logo em seguida, recebeu uma mensagem de uma funerária oferecendo velório para pets. “A funcionária mandou a foto da urna para mim, escolhi a urna, a ornamentação com as flores. Eles colocaram na entrada do velório o horário do enterro e o caderno de presença para a gente guardar”, conta a advogada, lembrando que a capela era da funerária e que não teve cerimônia religiosa.

Para a advogada, foi um alívio, pois o hospital entregaria o corpo da cachorrinha em uma sacola. O serviço funerário providenciou tudo como se fosse para uma pessoa mesmo, segundo Renata.

Autor: PEDRO FERREIRA

Fonte: www.otempo.com.br